[MOTIVACIONAL] Quando Eu Era Invisível - Martin Pistorius | Astral Cultural

Ele viveu em estado vegetativo por 12 anos

Martin Pistórius conta em sua obra alguns das suas principais motivações para manter as esperanças.

Mesmo desenganado pelos médicos, que lhe deram apenas dois anos de vida quando tinha 12 anos, Martin Pistorius nunca desistiu de viver. Ele ficou mais de 12 anos em estado vegetativo, e, desde aquela primeira previsão, já se foram 30 anos de muita luta e superação.

Pistórius, em Quando eu era invisível, publicado pela Astral Cultural, conta um pouco sobre o seu cotidiano. Veja algumas vivências importantes para sua recuperação:

1. Em primeiro lugar, o fato da família não desistir dele foi de extrema importância para Pistórius. Buscaram não apenas soluções para que ele saísse do estado vegetativo, bem como tecnologias avançadas para conseguir com que ele se comunicasse e melhorasse sua mobilidade.


2. Para que pudesse se comunicar, descobriram uma instituição chamada 'Comunicação Aumentativa e Alternativa, ou CAA. Após começar a frequentá-la, seu processo de inclusão deu um grande salto. As instituições de recuperação sempre têm um papel importante na reintegração do paciente em sua própria vida e na sociedade.

3. Pedir um suco, água, dizer que está com fome, com sono ou frio, é extremamente importante. O autor conseguiu, por meio da tecnologia, a comunicação, que foi parte imprescindível para ajuda-lo em sua na evolução tanto física, como emocionalmente.

4. Após Pistórius conhecer a terapeuta Virna, bastante coisa mudou. Foi ela quem descobriu que ele não estava mais em coma – continuava em estado vegetativo, mas estava consciente. Diferente de todas as tentativas anteriores, Virna utilizava a intuição, e investigou os pequenos sinais do paciente. Isso lhe mantinha vivo, ele sentia que ela era a única pessoa que realmente cuidava dele com eficácia. O fato de ela compreender a linguagem de sorrisos, olhares e inclinações da cabeça fez parte do processo de sua melhora de forma efetiva. 

5. Pistórius conta que a grande aliada presa em seu corpo é a imaginação. Durante esse tempo todo, ela foi o seu grande refúgio. Por meio do pensamento, como exemplo, foi um pirata, com muitas aventuras e diversão.Por muitas vezes, a superação precisa de pequenos atos de sensibilidade e muito apoio das pessoas que estão envolvidas. A vida de Martin Pistórius pode ser lida em Quando eu era invisível, publicado pela Astral Cultural.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou da postagem?