Resenha - O Teorema Katherine | John Green

"Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine - Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam. Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera."

É possível que um Teorema cheio de matemática e fórmulas possa provar com exatidão a duração de um relacionamento ou até mesmo quem vai terminar com quem?

Quando se fala em John Green logo vem à mente o seu mais famoso [e amado] livro “A Culpa é das Estrelas”, e confesso que foi o primeiro livro dele que eu li devido, obviamente, as muitas recomendações. Logo em seguida, resolvi comprar mais livros dele, pois me encantei com a forma exótica e simples dele de escrever e colocar humor em coisas incomuns. Nesse seguimento li “O Teorema Katherine”. Surpreendeu-me de várias formas diferentes, e eu com certeza leria a lista de compras do John Green, o talento dele é inegável e se mostra presente em todos os seus livros, mesmo que o enredo não seja o mais satisfatório de todos.

Para começar, eu ainda não me recuperei da dor no maxilar que venho sentindo de tanto gargalhar com esse livro. A história é simplesmente envolvente, e mesmo que o enredo não seja espetacular e nem impressionante, a forma simples da escrita de Green novamente ganha os holofotes, pois é assim que ele arremata a atenção dos leitores, sendo simples e cativante como nenhum outro.

A história narra à vida de Colin Singleton, que adora fazer anagramas, estudar idiomas e namorar garotas chamadas Katherine. Há dois pontos de desencadeamento das frustrações da vida do Colin, e os dois pontos acabam se ligando fazendo com que a solução de um acabe sendo a resposta para o outro.

Ao final do ensino médio, Colin pode fazer o que quiser com a sua vida, já que é um prodígio, e um quase gênio. O problema é que ele começa a notar que sua genialidade não vai aflorar, pois é “só” um prodígio. Os prodígios são apenas bons no que os gênios criam. Isso o deprime, já que está com 17 anos e ainda não descobriu a cura de doença nenhuma, não fez nenhum doutorado, ou seja, nada que o fizesse ficar famoso e eternamente lembrado, o que o faz pensar que não é lá grande coisa ser um prodígio.

Como desde pequeno foi incentivado a estudar, a expectativa de Colin sempre foi se tornar alguém importante através da sua inteligência, isso o afastou de muitas coisas na infância e na adolescência. O resultado disso é mais do que óbvio, Colin tornou-se uma pessoa solitária, incompreendida e sem amigos. Quanto mais Colin estudava, mais se afastava das pessoas e menos conseguia se relacionar com qualquer um. Entretanto, o autor não nos deixaria apenas com um personagem sem muitos atrativos, e deprimido. É aí que surge o Hassan, que é o melhor [e único] amigo do Colin, isso porque ele atura os dramas e inteligência irritante do amigo. Se o Colin é a parte deprimida do livro, o Hassan é a divertida. Sem contar que a amizade é bem incomum, já que Colin é meio judeu e Hassan é muçulmano. A amizade dos dois é muito divertida e deliciosa, cada cena deles sempre tem uma pitada de humor vinda, obviamente, do Hassan.

Depois de ser dispensado por 19 Katherine’s diferentes, Colin, um prodígio fissurado por anagramas, vê seu mundo despencar. Foram 19 Katherine’s, e todas elas acabaram dando um chute na bunda dele. Qualquer pessoa pode colecionar postal e figurinhas raras, mas Colin Singleton não, ele coleciona Katherine’s. E tem que ser escrito dessa forma K-A-T-H-E-R-I-N-E, as variações não o agradam de forma alguma. O final amargurado com a décima nona Katherine, abriu um buraco cheio de frustações no peito de Colin, ele não se conforma e não consegue uma resposta plausível para o motivo de todas as Katherine’s terem terminado com ele.

E é o Hassan quem resolve tirar o amigo do fundo do poço e botar o pé na estrada. Os dois juntos vão explorar o país no Rabecão de Satã, que é o nome peculiar do carro do Colin. Nessa viagem, eles acabam parando em Gutshot, no Tennessee, interessados em ver o túmulo do Arquiduque Francisco Ferdinando – uma figura muito importante, já que o seu assassinato deflagrou a Primeira Guerra Mundial – guiados pela caipira Lindsey, a responsável pelas visitas ao túmulo e a mais cativante personagem do livro, com o seu sotaque caipira, a sua beleza e a sua inteligência.

No caminho até o túmulo, Colin tem o seu primeiro momento eureca, que é o momento importante na vida de um gênio, pois marca a sua mais nova descoberta. E a de Colin é bem simples, o amor pode ser representado em um gráfico matemático, possibilitando o cálculo da duração de um relacionamento, e quem seria o Terminante e o Terminado. E assim surge O Teorema Fundamental da Previsibilidade de das Katherine's. Como todos os relacionamentos terminaram com ele levando um fora, ele estabeleceu um padrão de previsibilidade dos relacionamentos, onde há o Terminante e o Terminado. Pode parecer loucura, mas é exatamente isso. Algo que explique o porquê que as Katherine’s terminaram com ele, algo que dê certeza de como será o próximo relacionamento, sua duração e etc. O objetivo dele é muito simples: desenvolver o Teorema, provar sua veracidade, ficar famoso e assim ter seu relacionamento restaurado com a décima nona Katherine.

Colin só não contava com a complicação que será resolver um teorema com algo tão complexo quanto o amor. Afinal, é mesmo possível prever algo tão arrebatador quanto o amor? Em meio a essa dúvida, tudo ao redor de Colin acaba sofrendo uma metamorfose impressionante, e a questão das Katherine’s talvez seja algo mais relacionado ao coração do pobre Colin do que com a matemática e os seus números.

"E a moral da história é que não é a gente que lembra o que aconteceu.

É o que a gente lembra que se transforma no que aconteceu. 
E a segunda moral da história, se é que uma história pode ter várias morais, é que o Terminantes não são intrinsecamente piores que os Terminados. 
O término do namoro não é algo que acontece a você; é algo que acontece com você".

Pode o amor ser posto em prática pela matemática e assim ser previsto? Só lendo para descobrir, e aos que já leram: Badalhoca! 

4 comentários:

  1. Oie!

    Já vi diversas resenha sobre este livro, e apesar de ser de um autor que gosto muito, ele não chama muito minha atenção. Mas quem sabe um dia eu o leia. Aliás eu tenho o livro, só falta eu me animar.

    Beijos*
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Sou fã do John também, e logo no primeiro capítulo já ficamos presos a estória.

      Abraço

      Excluir
  2. Eu sempre li ou ouvi muitas pessoas falando maravilhas do John Green e então resolvi comprar "A culpa é das estrelas" mas não tinha na livraria e eu me contentei com "Teorema Katherine". Comecei a ler o livro e a cada página que lia ficava mais desmotivada e queria muito largá-lo, mas nao acho justo fazer isso com uma estória rs. Depois da caça ao javali, até um pouquinho antes quando o Hassan resolve ser amigo do OOC --', o livro me prendeu de uma maneira. O encaminhar final é surpreendente, só achei o final meio sem gracinha.
    Acho que o Teorema só funciona para Katherines e acho que vou começar a falar badalhoca, fugging e outras girias do livro rs.
    Beijão
    calcadeflor.blogspot.com.br breve vou fazer uma resenha dele e postar no meu blog

    ResponderExcluir
  3. Ótimo texto de resenha. Meus parabéns! Amei a maneira que vc usou para se expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa do livro é linda ela traz o universo como tema.
    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem?