Resenha - A Página Perdida de Camões | Luciano Milici

Enigmas, uma seita secreta e um terrível serial killer em torno do maior mistério da língua portuguesa

        O jovem pesquisador Santiago Porto, mestre em enigmas e fã da literatura, recebe de uma misteriosa e bela mulher a missão de desvendar a história real do poeta Luiz Vaz de Camões e encontrar seu maior segredo: a página perdida - um fragmento inédito de Os Lusíadas, procurado por seitas e homens perigosos desde a publicação da epopeia, há 440 anos. Oculta por enigmas e anagramas, a descoberta dessa página perdida pode revelar a localização da lendária Máquina do Mundo.

Enquanto um terrível serial killer aparentemente relacionado aos poemas de Camões tortura e mata suas vítimas, deixando recados ameaçadores À polícia e à imprensa, Santiago - com a ajuda de seus estranhos amigos e do acaso - infiltra-se em reuniões secretas, desvenda segredos seculares e aproxima-se, a cada dia, do maior tesouro da língua portuguesa e, ao mesmo tempo, tenta salvar a própria vida. Junte-se a Santiago e encontre você também a página perdida de Camões.


Luís Vaz de Camões foi um poeta de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura em língua portuguesa e um dos grandes poetas do ocidente. Pouco se sabe com certeza sobre a sua vida. Aparentemente nasceu em Lisboa, de uma família da pequena nobreza. Sobre a sua infância tudo é conjetura mas, ainda jovem, terá recebido uma sólida educação nos moldes clássicos, dominando o latim e conhecendo a literatura e a história antigas e modernas. 

Pode ter estudado na Universidade de Coimbra, mas a sua passagem pela escola não é documentada. Frequentou a corte de Dom João III, iniciou a sua carreira como poeta lírico e envolveu-se, como narra a tradição, em amores com damas da nobreza e possivelmente plebeias, além de levar uma vida boemia e turbulenta. 

Diz-se que, por conta de um amor frustrado, se autoexilou em África, alistado como militar, onde perdeu um olho em batalha. Voltando a Portugal, feriu um servo do Paço e foi preso. Perdoado, partiu para o Oriente. Passando lá vários anos, enfrentou uma série de adversidades, foi preso várias vezes, combateu ao lado das forças portuguesas e escreveu a sua obra mais conhecida, a epopeia nacionalista Os Lusíadas. De volta à pátria, publicou Os Lusíadas e recebeu uma pequena pensão do rei Dom Sebastião pelos serviços prestados à Coroa, mas nos seus anos finais parece ter enfrentado dificuldades para se manter.

Logo após a sua morte a sua obra lírica foi reunida na coletânea Rimas, tendo deixado também três obras de teatro comico. Enquanto viveu queixou-se várias vezes de alegadas injustiças que sofrera, e da escassa atenção que a sua obra recebia, mas pouco depois de falecer a sua poesia começou a ser reconhecida como valiosa e de alto padrão estético por vários nomes importantes da literatura europeia, ganhando prestígio sempre crescente entre o público e os conhecedores e influenciando gerações de poetas em vários países. 

Camões foi um renovador da língua portuguesa e fixou-lhe um duradouro cânone; tornou-se um dos mais fortes símbolos de identidade da sua pátria e é uma referência para toda a comunidade lusófona internacional. Hoje a sua fama está solidamente estabelecida e é considerado um dos grandes vultos literários da tradição ocidental, sendo traduzido para várias línguas e tornando-se objeto de uma vasta quantidade de estudos críticos.

           A obra A Página Perdida de Camões nos permite ter acesso a fontes, pensamentos e fundamentos que são capazes de nos ajudar a tirarmos nossas próprias conclusões para quem foi Camões, tendo em vista que sua origem se perdeu ao manuscritos com o passar do tempo. Há muitos e muitos anos pesquisadores vem pensando a respeito dele, mas nunca chegaram a uma conclusão conjunta. Este livro nos propõe uma grande oportunidade de embarcarmos juntos nessa investigação de sua verdadeira identidade. Sem dúvidas é uma obra repleta de detalhes e com um ar superior sem igual, melhor que muitas outras obras que envolvem o mesmo tema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou da postagem?