Resenhando Clássicos - O Grande Mentecapto | Fernando Sabino


Em O Grande Mentecapto temos a história de Geraldo Boa Ventura, se autointitula como José Geraldo Peres da Nóbrega e Silva, mas que na realidade é melhor quando chamado de Geraldo Viramundo  você só vai entender o por quê mais para frente.

O livro conta a estória de um garoto nascido em Rio Acima: a princípio de família pobre, crescera à beira da estrada junto dos seus irmãos, e como a maioria das crianças, aprontava, desobedecia, apanhava, tinha um amor peculiar e particular – o de Geraldo era banhar-se num rio da cidade –, tinha sonhos, etc. No entanto, Boa Ventura não era como a maioria das crianças  um de seus sonhos, por exemplo, era fazer o grande trem de ferro daquelas redondezas, muito admirado por ele e seus amiguinhos, parar em sua pequena cidade. Ele se perguntava e indagava do por quê do colosso de aço não parar em Rio Acima. Até que ele foi então tirar satisfação com seu sonho com suas próprias mãos e esforços: Geraldo faz parar o trem em uma atitude ousada e corajosa, assim tornando-se celebridade na cidade. Porém, quando um amigo seu, o Pingolinha, tentara imitar o mentecapto, acaba tendo um fim trágico, mais precisamente um pedaço disforme, restos mortos.

É assim que começa a história de Geraldo Boa Ventura para então se tornar Geraldo Viramundo. Traumatizado e pensativo, o mentecapto decide sair da cidade e tornar-se padre, assim partindo para um seminário.

Depois de ser expulso do seminário, por questões terceiras, Geraldo conhece a mulher que vem ser seu grande amor: é aí então que a saga de José Geraldo Peres da Nóbrega e Silva é reforçada para tornar-se Viramundo. 

O protagonista começa sua jornada pelo seu mundo – que não precisava ser o inteiro, Minas Gerais já era o suficientemente grande para seu pequeno coração – à procura de sua amada. Ele sofre desilusões, vira candidato a prefeito, é preso num manicômio e consegue fugir, rouba um campo de rosas, torna-se amigo de um cego e de um vendedor de esterco, etc.

Antes, durante e até depois de ganhar tal apelido nome, Geraldo têm muitos nomes:

Geraldo GiramundoGeraldo RolamundoGeraldo Vira-LataGeraldo VirabostaGeraldo CapelinhaGeraldo SepulturaGeraldo Pé na CovaGeraldo Merdakovski; General Búlgaro etc.

E de como Geraldo Boa Ventura, vulgo José Geraldo Peres da Nóbrega e Silva, torna-se Viramundo, descobre-se no decorrer do livro em meio a histórias, fatos, contos, falácias, escândalos, devaneios, loucuras, boatos, mitos e lendas, etc.

É uma saga de aventuras e desventuras muito versáteis: Geraldo corre, dança, fala, fica calado, chora, ri, angustia-se, sorri, come, passa fome, entre tantas outras coisas.

Com uma narrativa fantástica Fernando Sabino monta uma grande interatividade narrador-leitor. Este romance aventureiro é fortemente recomendado, o que me saltou os olhos, inclusive, foi a escrita de Sabino, única, por conseguinte não é sem motivos que é chamado de um dos maiores cronistas brasileiros. 

Há quem chame O Grande Mentecapto de “Dom Quixote de Minas Gerais” – foi assim que eu o conheci na minha faculdade –, pois há uma relação intertextual; mas com Geraldo a briga não é com dragões nem moinhos, e ele não se vê como nobre cavaleiro, mas sim como um louco apaixonado. É também um livro de altas críticas sociais, mesmo sendo, em alguns casos, bem sutis  pequenos detalhes que passam despercebidos, como um vendedor de esterco, por exemplo.

E, para finalizar, apesar de eu não gostar muito da literatura brasileira, sinceramente este foi um livro que me interessou bastante no âmbito gramático textual (o enredo é outra história). Foi uma leitura obrigatória da faculdade, mas fiquei satisfeito com a mesma. Para os que forem apreciar este clássico pela primeira vez, ou relê-lo, boa leitura!

Assista também o filme, dirigido por Oswaldo Caldeira, em 1989


Sobre o Autor

Fernando Tavares Sabino foi um escritor e jornalista brasileiroPublicou O grande mentecapto em 1979, iniciado mais de trinta anos antes. A obra, que lhe rendeu o Prêmio Jabuti, e acabaria sendo adaptada para o cinema, com direção de Oswaldo Caldeira, em 1989, e também para o teatro. Em julho de 1999, recebeu da Academia Brasileira de Letras o prêmio Machado de Assis pelo conjunto de sua obra.



4 comentários:

  1. Preciso ler mais livros clássicos! Com tantos lançamentos, a gente acaba esquecendo dos antiguinhos :/

    Beijos,
    Caroline, do Criticando por Aí.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia,

    Tenho dois livro do Fernando Sabino na minha lista de espera....e esse eu ão conhecia, vai para a lista...parabéns pela resenha....tem post novo no blog....abçs.



    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bom?
    O livro parecer ser bom mesmo, ainda não li um livro do Fernando Sabino, mas vontade não me falta.
    Território das garotas
    @territoriodg
    Bjss *-*
    Passa lá no blog?
    http://territoriodascompradorasdelivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Em “O Grande Mentecapto”, Fernando Sabino narra um encontro imaginário entre Geraldo Viramundo e o escritor francês Georges Bernanos. O autor que tanto interessou Sabino foi um dos maiores romancistas em língua francesa do século XX e morou no Brasil entre 1938 e 1945. Sua obra tem sido publicada no Brasil pela É Realizações Editora, e agora sua passagem pelo país é narrada ao público local. O estudo de Sébastien Lapaque “Sob o Sol do Exílio: Georges Bernanos no Brasil (1938-1945)” acaba de ser publicado, trazendo à luz a visita de Bernanos a várias cidade do Rio de Janeiro e Minas Gerais, sua estadia no sítio Cruz das Almas, sua revolta contra a mediocridade dos intelectuais e a ascensão do totalitarismo, sua amizade com pensadores brasileiros e a visita que Stefan Zweig lhe fez à véspera de se suicidar.

    Matérias na Folha de S. Paulo a propósito do lançamento do livro: http://goo.gl/O8iFve e http://goo.gl/ymS4lL
    Para ler algumas páginas de “Sob o Sol do Exílio”: http://goo.gl/6hAEOM

    Confira também:
    Diálogos das Carmelitas: http://goo.gl/Yy3ir3
    Joana, Relapsa e Santa: http://goo.gl/CAzTTk
    Um Sonho Ruim: http://goo.gl/Kd091z
    Diário de um Pároco de Aldeia: http://goo.gl/ISErLc
    Sob o Sol de Satã: http://goo.gl/qo18Uu
    Nova História de Mouchette: http://goo.gl/BjXsgm


    ANDRÉ GOMES QUIRINO
    mkt1@erealizacoes.com.br

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem?