Intimidade com os livros, por Barbara Marra

Cresci em uma casa com biblioteca, biblioteca mesmo, cheia de livros e maior que de muita escola do Brasil. Meus pais sempre foram leitores e, claro, consumidores de livros. Dificilmente procuro por algum clássico que não possa ser encontrado nessas prateleiras. São coleções e mais coleções de grandes autores brasileiros, russos e americanos. E muito embora houvesse esse tesouro em casa durante a minha infância, nenhum desses livros me foi privado nas brincadeiras de criança. Mesmo hoje em dia, tantos anos depois, ainda é possível encontrar livros com desenhos e rabiscos da minha época de criança.  Acredito que meus pais estiveram dispostos a ter um pouco do seu patrimônio depredado em nome de algo que eles valorizavam ainda mais: a intimidade dos filhos com os livros.

Crianças que não têm livros em casa, nem nenhum leitor por perto, quando forem adolescentes ou adultos, terão mais dificuldade em desenvolver um relacionamento de amor e respeito pelos livros. Lembro-me do meu sobrinho com apenas três aninhos me perguntar quando me via lendo: “O que tem de tão interessante nessas letrinhas?”. Hoje, aos sete anos, ele já começou a descobrir.

Como sou professora de Literatura consigo ver de perto e fico preocupada ao perceber crianças crescendo com receio dos livros, tendo com eles um relacionamento baseado na preguiça, na obrigação e até mesmo no descaso.

Os livros sempre foram para mim como brinquedos, assim como uma bola ou uma Barbie. Para me tornar uma adulta leitora foi apenas uma questão de tempo. A boa semente já havia sido plantada. Hoje já tenho minha própria biblioteca. Embora ainda não tenha filhos, meu maior patrimônio está sempre nas mãos de amigos e alunos. Confesso que tenho ciúmes, como imagino que meus pais também deviam ter, mas sei que com esse desprendimento estou plantando algo muito maior, da forma que meus pais me ensinaram.

Pode parecer clichê e até um pensamento ilusório de quem foi criada entre contos de fadas infantis e adultos, mas não deixo de crer que enquanto o amor pelos livros não deixar de florescer ainda haverá esperança de um mundo melhor, com mais tolerância, consciência, sonhos, paz e, claro, muitas e muitas bibliotecas.

13 comentários:

  1. Oi, tudo bom?
    Meu pai sempre foi leitor e o mais importante sempre troxe livros aqui pra casa, então não tinha como não se apaixonar por eles e criar o amor depois, até hoje tem livros na minha casa, mas agora eles são meus. kkkkkkkk
    Beijos*-*

    Território das Garotas
    twitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Poliana!
      Não como ter um exemplo para os bons caminhos da vida, ne?
      Beijos e obrigada!

      Excluir
  2. A leitura é transformadora e o grande profissional nisso tudo é o silencioso livro. Aqueles que o descobrem, viciam-se e, mudam completamente sua vida, seu pensar, desabrocham em todos os sentidos. Parabenizo-a pela texto!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelos comentários carinhosos de sempre, Célia!
      Agradeço sua atenção!
      Abraços!

      Excluir
  3. É tão bom ter intimidade com o mundo tão belo como da literatura.

    Menina, quanto tempo, você faz falta lá no Refúgio.
    Ah, tem sorteio lá no blog viu .
    http://iasmincruz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto. É realmente isso. Acho que está se tornando cada vez mais difícil tornar as crianças intimas de livros, mas é um trabalho que vale a pena. Amo ler e sem dúvida quando tiver minha casa e minha família, terei uma biblioteca dos sonhos rs
    Beijos
    http://ma-scarello.blogspot.com.br
    @BlogdaMaira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maíra!
      Vamos fazer a nossa parte e quem sabe a gente não muda o mundo, ne?
      Abraços!

      Excluir
  5. Barbara sou bibliotecária escolar e como você, cresci entre livros e procuro transmitir esse amor e respeito por eles entre meus alunos e demais conhecidos. Belo texto! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Roseli!
      É sempre bom encontrar gente, que como a gente, ama e cuida dos livros com especial carinho.
      Obrigada pela atenção!
      Abraços!

      Excluir
  6. Oie!
    Não cresci no meio dos livros, mas minha paixão veio no ensino médio quando trabalhei na biblioteca da escola.
    Hj trabalho numa biblioteca universitaria, sou técnica em biblioteconomia e sou viciada em livros, ler e etc. Adoro incentivar a leitura, é tudo de bom.
    Adorei o post!

    Beijos*
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nessa!
      Nunca é tarde para começar um amor, ne?
      Vamos juntas buscar cada vez mais e mais leitores!
      Abraços!

      Excluir
  7. Que lindo texto. Eu nao nasci numa família leitora ou cresci rodeada por amigos leitores, e por isso freqüentemente recebi (e ainda recebo) olhares meio tortos; infelizmente, o preconceito contra livros ainda é uma realidade. Por outro lado, nos traz uma satisfação muito grande conseguir mostrar pra alguém a maravilha que é o universo literário.

    brazilianreaders.blogspot.com.br
    @blogbreaders

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem?