Resenha - Joana, A Louca | Editora Europa

Espanha, século 16. Traída pelo marido, pelo pai e pelo filho, ela ousou desafiar um império e a Igreja para ser coroada rainha. Uma história de audácia e bravura, fascinante como poucas. 

O livro narra a saga de uma das personagens mais fascinantes da história europeia dos séculos 15 e 16. Filha dos Reis Católicos, Isabel de Castela e Fernando de Aragão, Joana é oferecida em casamento a Felipe, o Belo, sacramentando uma aliança política com os poderosos Habsburgo da Áustria. Com a morte da mãe, torna-se rainha de Castela, mas nunca reinou de fato. 

Joana é traída sucessivamente por aqueles que mais amou. Alijada do poder, primeiro pelo marido, Felipe, em seguida pelo pai, Fernando, e até pelo próprio filho, que se tornaria o poderoso imperador Carlos V, acaba confinada em um castelo em Tordesilhas, onde passou a maior parte de sua vida. No entanto, jamais se resignou, e não mediu esforços para resistir às traições que lhe foram impostas, lutando contra os poderosos e até contra a Igreja – o que lhe valeu o epíteto de "Louca". 

Em Joana, a Louca, Linda Carlino narra com leveza e precisão histórica a saga desta personagem inteligente, de personalidade forte e temperamento irascível. Sem perder o compromisso com os fatos, lança mão da ficção para recriar toda a atmosfera dos bastidores do poder na Europa da época, sempre sob o sagaz e feminino olhar de Joana. 

Como muitos aqui puderam perceber, nunca fui de ler livros de histórico, por "N" motivos, mas sempre me interessei por histórias contadas, como àquelas que nossas mães nos contavam antigamente quando íamos dormir. Logo, na primeira oportunidade de lê-lo, não exitei. Tratei de entrar imediatamente em contato com a Editora Europa para adquiri-lo. Então, eis-me aqui para vos dizer o que achei.

Uma obra prima, se é que posso dizer assim. Não fazia a mínima ideia de que era Isabel de Castela, Fernando de Aragão, João, Joana, Maria, Cataria, Miguel, Lenor, Carlos, Maria, Catarina, e Maria Tudor. Mas pensando nisso, a autora preparou uma árvore genealógica para nos facilitar. Ou seja, Isabel casou-se com: Afonso (príncipe de Portugal), e Manuel I de Portugal; João casou-se com Margarida da Áustria; Joana casou-se com Felipe da Áustria; Maria casou-se com Manuel I de Portugal; Catarina casou-se com: Artur (príncipe de Gales), Henrique VIII da Inglaterra; Leonor casou-se com Manuel de Portugal, e Francisco da França; Carlos casou-se com Isabel de Portugal; Isabel casou-se com Cristiano da Dinamarca; Fernando casou-se com Ana da Boêmia; Maria casou-se com Luís da Hungria; Catarina casou-se com João III de Portugal; Isabel casou-se com Carlos. Que loucura, não? Mas calma,   depois você vão entender.

Agora todos devem estar se perguntando o por quê do título do livro Joana, A Louca, então, segundo a Wikipédia D. Joana de Áustria, Joana de Espanha ou ainda Joana de Habsburgo (em castelhano, Juana de Austria; Madrid, 27 de Junho de 1536 - El Escorial, 7 de Setembro de 1573) foi uma infanta espanhola, arquiduquesa de Áustria e Princesa consorte de Portugal, quarta filha do casamento do imperador Carlos V (Carlos I de Espanha) com Isabel de Portugal, imperatriz do Sacro Império Romano-Germânico.

Em 11 de Janeiro de 1552, com dezasseis anos, casou por procuração em Toro com o herdeiro do trono de Portugal, o Príncipe D. João Manuel, o qual contava somente quinze anos. Deste matrimônio nasceu o futuro rei D. Sebastião.

Enviuvando em inícios de 1554, deu à luz o filho poucos dias depois, tendo regressado a Espanha a pedido do seu pai, que tencionava abdicar, confiando a educação do filho, com apenas três meses, à sua sogra Catarina de Áustria (que era também sua tia). Uma vez em Espanha, assumiu o cargo de regente do reino, em virtude do pai se achar ausente, assim como o irmão, Filipe II, que se achava em viagem pelos Países Baixos e pela Inglaterra, onde viria a casar com Maria Tudor.

Enérgica, soube rodear-se de pessoas da sua confiança, muitas das quais de origem portuguesa, que haviam partido para Castela no séquito da sua mãe, a imperatriz Isabel (como o futuro Príncipe de Eboli, Rui Gomes da Silva, o qual viria a ser uma das figuras cimeiras, a par da infanta, do "partido ebolista", um dos principais grupos que se digladiaram na corte de Filipe II - por oposição ao dos albistas, ligados a Fernando Álvarez de Toledo y Pimentel, o Duque de Alba - o qual se caracterizou pela sua tolerância e conciliação, sobretudo em termos religiosos). Dessa forma, a sua regência pauta-se pelo aparente triunfo da facção mais moderada dentro da corte de Filipe II.


Adquira já seu exemplar clicando aqui!

Sobre a autora

A escritora e pesquisadora britânica, Linda Carlino, é uma apaixonada por História, com especial interesse nos séculos 15 e 16. Foi professora em Barnard Castle, na Inglaterra, e trabalhou como consultora em uma editora de livros daquele país. Eleita membro da Society of Authors (Sociedade dos Autores) do Reino Unido, faleceu em 2010. Escreveu também A Matter of Pride (Uma questão de orgulho, em tradução livre), sobre a vida do imperador Carlos V, e Wives & Other Women (Esposas & outras mulheres, em tradução livre), sobre Felipe II da Espanha. Joana, a Louca, é seu primeiro romance. 

9 comentários:

  1. Cara, que legal! Adoro obras de ficção que tratam figuras históricas como pesonagens. Estou assistindo a mini-série Pilares da terra (sobre uma das guerras de sucessão do trono inglês) e amando :)

    ResponderExcluir
  2. Olá!!

    Nossa! Esse livro está imperdível!! Romance histórico que aparenta ser daqueles de perder o fôlego! *o*

    Adorei conhecer a obra. :)

    Beijos,

    Samantha Monteiro
    Word In My Bag
    http://wordinmybag.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Caramba, que mara! Não sabia sobre este livro, mas fiquei com muito interesse. Gostei bastante da sinopses, essas histórias épicas me agradam bastante! Parabéns pela resenha.

    Abraços
    Entre Livros e Livros.
    http://musicaselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Adorei a resenha
    serio, muito boa
    adorei a historia
    vou anotar

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Wanessa!
    Eu adoro livros assim, que ensinam História através de uma história... Não conhecia esse título e já fiquei super interessada.
    A capa parece a do livro "A vidente" de Hannah Howell.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  6. Wanessa, deve ser muito boa essa leitura.. adorei a resenha! bjokas

    ResponderExcluir
  7. Oie Wanessa!

    Em primeiro lugar eu gostaria de agradecer pela visita ao meu blog.

    Eu gosto desses livros que contam a história de algum personagem histórico. Muito interessante sua resenha.
    Adorei seu blog!

    bjos
    Evy
    bosquedaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Adorei o livro....parabéns pela resenha...já estou super curiosa..hehehehe...aja dinheiro....rsrsrs...


    Beijokas!

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem?