Resenha - Soul Rebel: Reviravolta | Kimberly Mascarenhas - Editora Leya

Por: Luana Modesti

    Confesso que no começo me deixou bem animada, mas no meio da leitura me deu uma sensação de "para de ler isso, que você vai passar nervoso". Não abandonei, e consegui termina-lo em 1 noite. Não me arrependi da maratona e confesso que o final me surpreendeu muito, e deixa um gancho enorme para uma continuação.

Este livro é narrado em primeira pessoa e possui duas partes. A primeira é focada em Cassidy, uma menina que vive em um colégio católico e vive fugindo com sua parceira Claire. A segunda parte é dividida entre Cassy e Maison, um rapaz barra pesada que você sempre vai ter uma pulguinha atrás da orelha.

Cassidy é uma jovem bem festeira, que vive fugindo e correndo riscos em festas "proibidas" junto com Claire. Mas em uma dessas escapulidas, quando ela volta ao colégio, recebe e notícia do falecimento de sua mãe, que estava internada em um hospital psiquiátrico. Cassy não tem nenhum tipo de contato com seu pai, e se vê sozinha sem nenhum parente próximo para lhe acolher nesse momento. De repente Cassy é retirada do colégio por Deborah, uma velha amiga de sua mãe que prometeu cuidar dela enquanto ela ainda estava viva. Deborah luta pela guarda de Cassy, mas tudo acaba ficando mais difícil de ser solucionado com seu filho Mason por perto.


“Era incrível a intensidade com que brigávamos e fazíamos as pazes. Desde que tínhamos voltado , já havia passado dois meses. Podia ser que nosso amor durasse para sempre (…). Eram muitas possibilidades, no entanto aprendi que a vida era feita de escolhas, e para cada uma havia uma consequência, mas era preciso se arriscar a viver”

Mason não aceita o fato de Cassy ir morar com eles, e acaba estabelecimento limites rígidos de contato com a garota.

Cassidy passa por situações extremas que como consequência, acabam ultrapassando estes limites estabelecidos por Mason. Onde eles se tornam próximos e começam a se tolerar.

                  Soul Rebel é um livro que me fez criar expectativas no começo, mas vários furos apareceram e deixaram a desejar. O fato de Deborah aparecer do nada e não ter um passado contado deixou uma parte muito vaga na história. Não da pra saber se ela é do bem ou do mal, se ela planeja algo além do que realmente parece para Cassy. Deborah tem uma breve história contada, mas é um personagem que poderia trazer muitos detalhes para a história.

O tempo com que as coisas acontecem também é absurdamente rápido, e não da tempo de digerir os acontecimentos. A única coisa que deu tempo de digerir foi meu ódio pelo Mason e o passado dele.

Cassy é um personagem totalmente deslumbrado, que não se revolta em nenhum momento pelas coisas que acontecem. Também não questiona o motivo de não poder comparecer ao enterro da mãe, o por quê do pai nunca aparecer, o por quê da Deborah estar ali. É um personagem raso, que tinha tudo para crescer mas não houve investimento por parte da autora.

Como toda boa história romântica, Cassy tem que lidar com Alexia (ex de Mason), que ressurge das cinzas com mil e um argumentos de amor. Quem me conhece sabe que ODEIO histórias com ex-namorada como cenário. Isso vitimiza demais o personagem e me broxa instantaneamente com a leitura.

Quanto a diagramação, revisão e layout, a editora caprichou e a capa chama muita atenção.

Nota: 6,5 / 10
Não chegou no 7 pelos furos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou da postagem?