Resenha - Cidades de Papel | John Green

Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.

Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.

Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Mais uma obra do John Green chega para nos levar ao delírio, dessa vez se chama Cidades de Papel. O livro conta a estória de Quentin - ou apenas Q -, que é super engraçado e intelectual, prestes a se formar no terceiro ano do colegial. Boa parte de sua infância se passou ao lado de sua vizinha, Margo Roth Spiegelman. Uma das situações que os dois passaram juntos foi justamente na infância, onde ao andar pelo parque no qual estavam brincando encontraram o corpo de um homem. Ao contrário de Q, Margo sempre fora meio "estranha", e então ela decidiu dar um de detetive e sondar o quem era o tal homem e por que tivera sido morto. 

Apesar de terem sido criados juntos durante a infância, ao chegar na adolescência suas vidas tiveram rumos distintos. Margo havia se tornado a menina-mais-popular da escola, e Q o menino de poucos amigos e nerd. O tempo foi passando e Quentin ainda sentia o coração bater mais forte por Margo, mas essa relação, a cada dia que passava, se tornava ainda mais difícil de se tornar realidade.

Dado momento, durante uma aventura/investigação/loucura - seja lá qual for o nome - no qual Quentin e Margo estavam empenhados para desvendar esse tal mistério, mas como estava tarde foi cada um para sua casa. No dia seguinte estariam prestes para se encontrarem novamente, mas isso não foi possível porque Q havia descoberto que sua doce Margo tivera desaparecido. 

Desde o começo a obra tem um leitura dinâmica, mas a partir do momento em que a jovem desaparece passa a se tornar um thriller romântico com pitadas de mistérios digno de um bom filme. O autor soube dosar exatamente cada ponto a ser explorado. Com uma narrativa culta, porém ao mesmo tempo engraçada, nos faz querer mais obras do gênero, mesmo para aqueles que não eram fã até então. Fantástico e irresistível, como um chocolate quente numa noite fria.

2 comentários:

  1. Sua resenha me deixou muito interessada em ler esse livro. Ainda não li nenhuma obra do autor, mas sempre ouço e leio ótimas crítica sobre ele. Talvez seja a hora de começar a lê-lo.

    ResponderExcluir
  2. Muito 10 esse livro!
    Super chique.
    mdf
    www.centralcaixas.com arte em mdf.
    Lhe manda um forte abraço,e quando puder faça-nos uma visita.
    tchau tchau....

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem?