Resenha - O Guia do Mochileiro das Galáxias | Douglas Adams

Quando terminei de ler esse livro me arrependi. Calma, fã de Douglas Adams. Não me arrependi de tê-lo lido, mas sim de não ter lido antes! 

Comecei a me interessar por Literatura quando entrei na faculdade, no começo de 2011. Desde então tenho tentado recuperar o que considero ser o tempo perdido com outras coisas, lendo tudo que deixei de ler quando era mais jovem. 

O Guia do Mochileiro das Galáxias, primeiro livro da trilogia homônima, é uma viagem e tanto. Personagens incríveis não só pela sua personalidade e fina ironia, mas pela sua composição. Composição física, não literária. Além de monstros de outros planetas anos-luz da Terra, um robô depressivo, o livro apresenta personagens como “um reptilóide, dois ou três maximegalacticianos verdes silfóides, um ou dois fissucturalistas octópodes e um Huluvu (o Huluvu é uma tonalidade de azul superinteligente)”. Há até um humano! O inglês Arthur Dent.

A saga começa começa numa quinta-feira péssima para Arthur Dent, pois nesse dia ele tem sua casa demolida para dar lugar para uma estrada. No mesmo dia, descobre que um de seus melhores amigos, Ford Prefect, é um alienígena e quer tirá-lo da Terra antes que aconteça com o Planeta Azul o mesmo que aconteceu com a casa de Arthur: seja demolida para dar lugar a uma via expressa hiperespacial.

Retirado da Terra, Arthur começa a tentar entender o que está acontecendo e para tal começa a tentar ler alguns verbetes do livro eletrônico que seu amigo empresta: O Guia do Mochileiro das Galáxias. 

Douglas Adams estrutura a narrativa sob um narrador que ora faz pequenas interrupções na narrativa para ajudar a explicar o que está acontecendo, ora sob um narrador que tem consciência do que está acontecendo na mesma proporção que Arthur, ou seja, quase nada.

Lendo o livro descobrimos qual é a resposta para à “Questão da Vida, do Universo e Tudo mais”, o que devemos levar numa viagem extraterrestre e por quem foi criada a Terra. Dica: Não é o Big Bang, nem a mão divina. 

É uma leitura empolgante, cheia de expectativas e situações que não deixam a gente largar o livro. É um clássico que nos traz a satisfação e o prazer de um bom livro e a felicidade em pensar que há ainda outros quatro livros que continuam a história.

*O Restaurante no Fim do Universo; A Vida, o Universo e Tudo Mais; Até Logo e Obrigado pelos Peixes; Praticamente Inofensiva.

7 comentários:

  1. Oie :)

    Nossa estou doido nesse livro sinceramente não vejo a hora de lê-lo, acho que vou adorar porque a série combina comigo e está tão baratinha !!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/ ( comenta lá :D )

    ResponderExcluir
  2. Hey! : )

    Olha, vale muito a pena! Eu dei muita risada com o livro... Além de criativa, a história é muito bem estruturada e interessante. Eu moro em Bauru (interior de São Paulo), porque faço faculdade na cidade, e deixei o resto da coleção na casa dos meus pais, em São Caetano do Sul...To loco pra voltar pra casa! hehehehe

    abçs!

    Obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir
  3. Meu amigo me recomendou e fiquei com bastante vontade de ler, agora estou muito ansiosa e acho que vou aproveitar que o submarino sempre tem promoções dele.
    Beijokas
    Jeh
    www.jeitodler.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! : )

      Percebi que todo mundo que lê esse livro recomenda-o para os amigos. Acho que é a vontade de ficar conversando sobre as maluquices nele... heheheh

      abçs!

      Excluir
  4. sempre senti vontade ler os livros dessa coleção. devem ser bons msm! e sempre está de promoção no submarino

    leitorcearense.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clássicos nunca saem das prateleiras! : )

      Excluir
  5. Muito boa postagem amei o blog te seguindo

    http://crentexxes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem?