O álcool e a literatura: a intensidade da vida de Hemingway




Recentemente, em O Lado Bom da Vida, de Matthew Quick, Pat Peoples, em sua grande busca por uma perspectiva positiva das coisas, resolve ler Adeus às Armas, De Ernest Hemingway, livro importante para sua ex-esposa. Compreensivelmente ele se revolta com o que lê: "Não posso imaginar porque alguém gostaria de expor adolescentes impressionáveis a um final tão terrível". E ninguém pode julgar Pat em relação a isso, finais catastróficos são um tema constante na obra de Hemingway. Não apenas isso, mas também o álcool e a morte. E não apenas em sua obra, mas em sua vida.

Pode-se dizer facilmente ao olharmos sua biografia que Hemingway teve uma vida intensa: 4 casamentos, 1 Pulitzer, o prêmio Nobel, motorista de ambulância da Cruz Vermelha, repórter de campo durante a guerra, membro da comunidade de escritores "geração perdida", pescador no Caribe, caçador na África... Mas todo esse movimento tinha uma sombra de angústia ali no limiar da consciência, algumas vezes mais perceptível, outras até que bem escondida. Quando ainda jovem seu pai se matou com um tiro em sua cabeça. Sua mãe, a quem ele sempre culpou pelos problemas que afligiam seu pai, enviou a arma do suicídio para Hemingway. Seja com objetivo de se guardar essa lembrança macabra, seja lhe incitando a fazer o mesmo, tal fato deve ter sido recorrente em sua lembranças ao longo de sua vida, até o dia em que o padrão se repete. No dia 2 de julho de 1961, Hemingway, a beira de um lago em Idaho, dispara em si mesmo com um fuzil de caça. Pouco é dito, mas Hemingway também teve dois irmãos que seguiram o mesmo caminho.


O suicídio é um assunto reentrante em sua obra. Em Ter ou não ter, o protagonista diz ao longo do livro: "outros seguiram a tradição indígena da Colt ou da Smith & Wesson, instrumentos bem fabricados, que, com o apertar de um dedo, terminam com a insônia, acabam com os remorsos, curam o cancro, evitam as falências, abrem uma saída a situações intoleráveis, admiráveis instrumentos americanos fáceis de levar, de resultado seguro, tão bem projetados para por fim ao sonho americano quando este se transforma em pesadelo, e cujo inconveniente é a porcaria que deixam para a família limpar".


Outro assunto que se repete é o uso de álcool. Muito se bebe ao longo de seus livros, e mais ainda em sua vida. Sua preferência era o mojito que bebia em Havana, e o drinque que hoje leva o nome de Hemingway Especial, este a base de rum, sucos de grapefruit, limão e licor Maraschino. E ele sempre tinha uma justificativa sagaz na ponta da língua: "Eu bebo para tornar as outras pessoas mais interessantes", e "Para conviver com os tolos, um homem inteligente precisa beber". Percebe-se nessas frases, a culpabilização do outro. Mas em uma análise mais criteriosa de sua vida, podemos pensar que o que movia a beber não eram apenas desilusões interpessoais, mas uma angústia interna que está sempre ali, flertando com ele num jogo de conquista trágico. Bertrand Russel disse que "a bebedeira é um suicídio temporário", o que nos leva pensar um pouco mais no significado de fuga que um bom porre carrega.



Vários grandes autores do passado tinham problemas com o álcool, o que pode ter dado um certo ar de intelectualidade para algumas bebidas. Afinal, chegar em casa do trabalho e beber algumas doses de whisky à meia luz enquanto se lê um bom livro aparentemente é algo até bem visto. Bukowski, Oscar Wilde, o casal Fitzgerald, as amigas (e parceiras de copo) Anne Sexton e Sylvia Plath, William Faulkner, e por aí vai.


E pode se dizer que sem o álcool esses autores teriam escrito todas suas grandes obras? Não, e nem se pode imaginar isso. O que podemos imaginar é que Hemingway, se não tivesse passado pro todos seus problemas, sendo o álcool um deles, ele ainda teria todo o potencial dele, e provavelmente ainda teria sido um escritor com a importância que tem. Seria ingênuo pensarmos que a criatividade e a habilidade com as palavras são um "presente" do álcool. Mas talvez, digo isso levantando uma hipótese apenas para reflexão, a temática de sua escrita poderia ter sido diferente. Os livros sempre têm algo de autobiográfico, o que no caso do Hemingway isso fica bastante evidente, então eu ouso pensar que poderia ser diferente. Tantos livros com tanto sofrimento nos dizem muito sobre a mente desse autor. Que seu legado seja preservado, e que seu sofrimento não seja esquecido.

3 comentários:

  1. Bem interessante, da pra pensar a respeito, gostei!

    ResponderExcluir
  2. Essa relação é muito mais comum do que podemos imaginar né?
    Super curti o post.
    Abraços!

    Senhor do Século | Beleza para homens

    ResponderExcluir
  3. VejaBlog
    Seleção dos Melhores Blogs & Sites do Brasil!
    http://www.vejablog.com.br

    Parabéns pelo seu Blog!!!
    - Estante Seletiva -

    Você está fazendo parte da maior e melhor
    seleção de Blogs/Sites do País!!!
    - Só Sites e Blogs Premiados -
    Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
    os melhores e mais prestigiados Blogs/Sites do Brasil!

    O seu link encontra-se no item: Blog

    http://www.vejablog.com.br/blog

    - Os links encontram-se rigorosamente
    em ordem alfabética -

    Pegue nosso selo em:
    http://www.vejablog.com.br/selo

    Um forte abraço,
    Dário Dutra

    http://www.vejablog.com.br
    ....................................................................

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem?